Imitando as crianças

Post do blog da minha véia que cita não só a amim como os viadosbichas do socialzero.

Imitando as crianças.

Anúncios

Links da semana #1

Faaaala galera. Hoje é sexta feira é dia de …

Heavy-woman-dancing-gay-surprise

Links da semana!

Pretendo fazer semanalmente um compilado de links com conteúdo legal. um monte de blogs grandes já fazem isso e acho que, tecnicamente, funciona bem pra indexação, por motivos que eu não vou explicar aqui. É claro que eu vou comentar o link, não vou só jogar aqui de qualquer jeito. Valew?

Então vamos lá.

GeeksxGirls – Feminism is Having a Wardrobe Malfunction Comic. -> Uma porrada nas pessoas que reclamam dos posts de garotas geeks seminuas. Lembrando que o GeeksxGirls sempre foi muito respeitoso em seus posts.

Tudo Sobre Minha Mãe – A turma que não “se adaptou” a ter uma aluna negra: uma denúncia de racismo -> Um momento pra relembrar que o racismo está aí, ainda hoje e o mal que ele pode fazer.

Chubble & Eu – Hélio e Outono – Uma férvida história sobre física e sonhos -> Um conto leve e sensível pra dar uma quebra no clima.

Gizmodo – Uma garota de 12 anos expôs o custo escondido para se jogar com um personagem feminino. -> A garota de 12 anos fez  uma pesquisa científica, foi publicada e fez a diferença … e eu aqui com o dobro da idade escrevendo em blog. =/

Social Zero – Hurulla 2 -Projeto Top no catarse. -> Post meu sobre uma hq foda que ta no catarse. Vê lá.

É isso garela. VALEW!

Por hoje é só.

Simbologia, valor relativo e ódio

Antes de começar esse texto, eu preciso avisar de que ele se trata muito mais de uma “divagação, completamente parcial, baseada em observação” e não um “ensaio argumentativo baseado em conceitos científicos blablabla”. Ou seja … é só achismo então não fiquem boladinhos.

Estávamos conversando no laboratório hoje(ontem pela data de publicação) sobre fotografia, imagem e simbologia quando surgiu um comentário sobre os vídeos disseminados pelo estado islâmico, onde eles próprios destroem estátuas e templos de outras religiões…

Como é bem sábido a muito tempo na filosofia (queria saber citar autores melhor) que o Valor não é uma caratrísticas dos objetos (físicos ou não), e sim uma função de duas variáveis onde Valor(x,y) é o valor que x atribui a y de forma totalmente subjetiva, e há quem diga que o tempo é um terceiro parâmetro. Resumindo, valor é algo sempre relativo, mais ou menos, dependendo da linha filosófica.

… Voltando ao caso estado Islâmico. A conclusão que eu cheguei sobre esse caso é a seguinte: O vídeo da destruição tem um valor simbólico muito maior do que a destruição em si. Isso por quê existe um puta mal hábito na sociedade atual (no mínimo) de achar que o universo gira em torno do nosso umbigo. É impossível conceber que eles destruam nossos símbolos simplesmente por não gostar deles. Eles querem nos afrontar, é claro. Para o cristão a afronta é pior que a destruição em si.

Por outro lado, essa é a parte polêmica, o restolho de uma estátua destruída, os pezinhos da estátua do Santo seilá, tem um valor muito maior para o cristianismo do que a estátua inteira. A palavra do dia é mártir. Toda vez que você, cristão, olhar aqueles pezinhos você vai lembrar que “é preciso lutar contra esses malucos infiéis” e isso te dará forças. Isso é bom, certo?

Daí pra frente é só viagem. Ignorem.

Tudo isso que eu falei acima tem a ver com ódio e revanchismo. Quer dizer, Deve dar um trabalho danado destruir estátuas. E uma coisa curiosa que eu vejo nas religiões, é que ALGUNS grupos religiosos são muito bons nessa coisa de odiar. Pelo menos é sensação que eu tenho.

Existe uma máxima de alguém que eu não me lembro que é o seguinte: “O amor até constrói, mas é o ódio que transforma.”

Será que isso é válido? A história é feita por pessoas matando umas as outras? Espero que não.

Tomatina – Espanha, 2015

tomatina

Marcus sentiu uma pontada no coração e uma dor no peito.
Passou a mão pelo local e a levantou para olhar.
Vermelho. Era quase impossível distinguir o sangue em meio a tanto tomate, mas ele era experiente e sabia.
Matar alguém em meio a uma Tomatina era algo genial.
“Por que não pensei nisso antes?” – Pensou ele agora, tarde demais.
Tentou sair do meio da multidão, mas não era algo fácil,
ela se movia sem ordem alguma, indo pra todos os lados e pra lugar nenhum.
Por fim conseguiu, mas já tinha perdido muito sangue.

Marcus morreu tranquilo.
Sentado no chão, encontasdo numa parede.
Era impossível distinguir o sangue em meio ao tomate.
O corpo só foi “encontrado” no dia seguinte.

Olá mundo, olá Internet, olá Galacta.

Faaala galera das internets.

Meu nome é Vulto e eu tenho um outro blog, o socialzero.com.br. Algumas poucas pessoas já me conhecem de lá e agora eu também estarei aqui nesse espaço falando abobrinha pra ninguém ler.

Antes que alguém venha me encher o saco, eu deixo avisado que EU NÃO VOU SAIR DE LÁ. Eu vou continuar escrevendo no Social Zero sobre os temas de que gosto tanto e entendo um pouco (jogos, hqs, literatura, séries e etc.) enquanto esse novo blog lindo de meodeos, o Descontrolada Mente passa a existir em paralelo como um espaço de experimentação argumentativa onde eu posso viajar foda.

Outro motivo de eu criar esse espaço pessoal é poder assumir pontos de vistas, as vezes controversos, sobre temas mais “problemáticos”, assumindo, talvez, posições políticas/filosóficas que não representam a pluralidade da equipe do Social Zero.

Ou SEJE, se for pra ser polêmico (não to prometendo nada), estou disposto a tomar porrada sozinho.

É isso garela. Daqui a pouco posto um primeiro texto pra valer. Até mais. Tchal.